“NA FRENTE OU NA BASE”

1 Samuel 30:21-25

INTRODUÇÃO
  1. Revisar o contexto da perseguição de Davi aos amalequitas – cf.
    1Sa 29, 30:1-20
  2. Agora leia 1Sa 30:21-25; observe especialmente a ordenança
    estabelecida em Israel:

    “…como é a parte do que desce à batalha, assim será a parte
    do que fica junto aos bagagens; todos receberão partes iguais.” (1Sa 30:24)

  3. Há algumas semelhanças entre a ordenança de Davi e o que é verdadeiro
    com relação ao nosso serviço como cristãos hoje…

    1. Pois nós também estamos envolvidos em uma batalha
    2. Embora nossa batalha seja espiritual – cf. 1Tm 6:12; Ef 6:12-13;
      2Co 10:3-6

[Nesta lição, gostaria de apontar algumas dessas semelhanças;
começando com a ideia de que…]

    1. O EXÉRCITO DE DEUS REQUER DOIS TIPOS DE SERVIÇO
      1. QUALQUER EMPREENDIMENTO MILITAR DEPENDE TANTO DO APOIO QUANTO DAS FORÇAS DE BATALHA…
        1. Muitos planos militares giram em torno de como apoiar aqueles na
          “linha de frente”
        2. Pois os líderes militares aprenderam há muito tempo:
          1. “Homens não lutam com o estômago vazio”
          2. “Homens não marcham sem sapatos”
        3. Muitas batalhas foram vencidas pela eficiência das forças de apoio em acompanhar aqueles na linha de frente
        4. Essa foi uma das razões pelas quais Eisenhower foi um grande general; ele era um gênio logístico
      2. O MESMO É VERDADEIRO COM O EXÉRCITO DE DEUS E A BATALHA QUE ENFRENTAMOS…
        1. Dois tipos de serviço são necessários:
          1. Há os “combatentes” e os “guardiões das bagagens”
          2. Isto é, há os “professores” e “aqueles que os apoiam”
        2. Essa verdade é bem ilustrada no Novo Testamento
          1. Durante o próprio ministério de Cristo – cf. Lc 8:1-3
          2. No caso de Paulo
            1. Apoiado pelas igrejas – 2Co 11:8-9; Fp 4:15-16
            2. Também por indivíduos – por exemplo, Gaio (Rm 16:23), Filemom (Fm 22)
        3. Sim, para realizar a batalha de Deus, deve haver “pregadores” e “apoiadores”
          1. Uma parte lógica e essencial na salvação das almas – cf. Rm 10:13-15
          2. O exército de Deus requer ambos…
            1. Aqueles que estão dispostos a servir na “linha de frente”
            2. Aqueles que estão dispostos a servir na “base”

[Ao examinar esse conceito mais a fundo, alguém poderia perguntar “Qual serviço é mais importante?” A verdade é…]

    1. AMBOS OS SERVIÇOS SÃO IGUALMENTE IMPORTANTES
      1. ISSO CERTAMENTE É VERDADE NA GUERRA FÍSICA…
        1. Alguém poderia pensar que os homens na linha de frente são os “mais importantes”
        2. Embora não possamos desconsiderar sua importância, batalhas foram vencidas ou perdidas com base no apoio logístico!
      2. ISSO É TÃO VERDADEIRO NO CORPO DE CRISTO…
        1. Em Rm 12:3-8, aprendemos que no corpo de Cristo (a igreja)…
          1. Há muitos membros
          2. Os membros não têm a mesma função!
        2. Em Ef 4:15-16, aprendemos que o crescimento depende do “trabalho efetivo pelo qual cada parte faz a sua parte”
        3. Em 1Co 12:12-22, Paulo enfatiza que todos os membros e suas diversas funções são vitais!
          1. Ninguém pode dizer que eles próprios não são importantes – 1Co 12:12-19
          2. Ninguém pode dizer que os outros não são importantes – 1Co 12:20-22
      3. O FRACASSO EM RECONHECER ESSA VERDADE PODE SER DESASTROSO!
        1. Isso pode deixar muitos irmãos desapontados, apáticos e infrutíferos!
          1. Se não tivermos cuidado, podemos enfatizar demais um trabalho em detrimento de outros
            1. Por exemplo, enfatizar o evangelismo em detrimento da edificação e benevolência (apesar do aviso de Tg 3:1 e da implicação de 1Co 12:29)
            2. Isso pode fazer com que algumas pessoas sintam que apenas um tipo de trabalho é digno, nobre ou importante
          2. Com tal concepção equivocada, alguns podem se envolver em um trabalho para o qual não são adequados
            1. Quando o fracasso chega, eles ficam desapontados
            2. A menos que sejam mostradas maneiras alternativas de servir, podem se tornar apáticos e infrutíferos
        2. Isso muitas vezes prejudica a causa do Senhor na propagação do evangelho!
          1. A falta de apoio tem prejudicado muitos trabalhos estrangeiros ou menores, onde os evangelistas não conseguiram levantar apoio
          2. Se aqueles “na base” não apreciam a importância de seu apoio, o corpo do Senhor fica incapacitado em sua capacidade de funcionar!

[Reconhecendo a importância de ambos os tipos de serviço, que ninguém despreze um tipo de serviço em relação a outro! Vamos encontrar onde melhor podemos servir ao Senhor e fazê-lo de forma adequada, o que nos leva ao nosso próximo ponto…]

    1. AMBOS OS SERVIÇOS EXIGEM O MESMO OBJETIVO, SACRIFÍCIO E ZELO
      1. NO CASO DE DAVI E SEUS HOMENS…
        1. Os homens “na base” não estavam lá porque eram preguiçosos ou medrosos
        2. Embora exaustos, eles estavam tão motivados quanto aqueles que foram
          1. As famílias deles também haviam sido sequestradas!
          2. Alguém teve que ficar com as bagagens, caso contrário, o restante da força não teria alcançado o inimigo
          3. Ficar para trás era uma forma de sacrifício, quando era sua família em algum lugar nas mãos do inimigo!
        3. Com o mesmo objetivo, sacrifício e zelo daqueles que perseguiram o inimigo, eles cumpriram seu trabalho de guardar as bagagens!
      2. PARA CUMPRIR NOSSOS PAPEIS NO EXÉRCITO DO SENHOR, TODOS PRECISAM DO MESMO OBJETIVO, SACRIFÍCIO E ZELO!
        1. Qual é o nosso “objetivo”?
          1. “para que em todas as coisas Deus seja glorificado por meio de Jesus Cristo” – cf. 1Pe 4:11
          2. Glorificar a Deus, seja em nosso serviço ou em nosso ensino!
          3. Um objetivo como este pode transformar até mesmo um serviço secular ou mundano em um serviço sagrado e importante!
            1. Por exemplo, fornecer serviços de babá para que os pais possam estar livres para visitar e ensinar outros
            2. Por exemplo, trabalhar como um trabalhador comum para poder sustentar pregadores em um país estrangeiro
        2. Que tipo de “sacrifício”?
          1. “como bons despenseiros da multiforme graça de Deus” – cf. 1Pe 4:10
          2. Cada pessoa tem um dom (ou mais), uma habilidade, dada a ele pela multiforme graça de Deus
            1. Como despenseiros, um dia teremos que prestar contas – cf. Mt 25:14-30
            2. Talvez não tenhamos o mesmo talento, nem o mesmo número de talentos, mas espera-se que façamos o melhor com o que temos!
            3. Certamente não devemos desperdiçar o que nos foi dado!
          3. Embora possamos servir em diferentes capacidades, devemos ter o mesmo senso de sacrifício!
            1. Alguns acreditam que os pregadores devem estar dispostos a sacrificar mais do que outros
            2. Essa visão é consistente com o que estamos aprendendo aqui?
              1. Deveriam os “quartéis-generais” lá na base estar desperdiçando o que lhes foi dado para apoiar os “soldados” na linha de frente?
              2. Não devemos todos ter a mesma disposição para sacrificar se houver necessidade?
              3. Se os irmãos “na base” se sacrificassem tanto quanto esperam daqueles que estão “na frente”, não haveria mais coisas boas sendo feitas?
        3. Que tipo de “zelo”?
          1. “como com a habilidade que Deus fornece” – 1Pe 4:11
          2. Seja qual for a nossa capacidade, seja qual for o nosso serviço, Deus nos dá a força para fazê-lo!
          3. Devemos ser negligentes com o que Deus nos deu?
          4. Devemos ter zelo para utilizar o que temos de maneira digna do gracioso dom de Deus!!!

[Não é tanto QUAL serviço prestamos a Deus, mas COMO o fazemos. E que tipo de sacrifício ou zelo pode ser esperado de um deve ser esperado de todos, pois buscamos o mesmo objetivo!

Por fim, vamos observar rapidamente o ponto de que…]

    1. AMBOS OS SERVIÇOS RECEBEM A MESMA RECOMPENSA
      1. VIMOS QUE DAVI FEZ ISSO UMA LEI EM ISRAEL…
        1. “…eles compartilharão igualmente” – 1Sa 30:24-25
        2. Quer tenham ficado com as bagagens ou servido na batalha
      2. O PRINCÍPIO É REPETIDO NO NOVO TESTAMENTO…
        1. Jesus ensinou isso em Mt 10:41-42
        2. Ilustrado em relação aos diáconos, que são servos da igreja – 1Tm 3:13

— Isso deve nos ajudar em nosso zelo e sacrifício

CONCLUSÃO
  1. Muitas vezes, a batalha do Senhor é prejudicada pela falta de apoio…
    1. Alguns podem estar dispostos a ir e ensinar
    2. Mas outros podem não estar dispostos a enviar e apoiar
  2. No entanto, vimos que ambos os tipos de serviço…
    1. São igualmente importantes
    2. Exigem o mesmo objetivo, sacrifício e zelo
    3. Recebem a mesma recompensa
  3. Onde quer que sirvamos no “exército” do Senhor, seja “Na Frente ou Na Base”, vamos fazê-lo como bons despenseiros e com grande zelo!

Falando no “exército” do Senhor, você já foi “alistado” pelo Senhor ainda
(2Tm 2:3-4)? Através do precioso evangelho de Cristo, Deus está chamando
todos que vêm a Ele… – cf. 2Ts 2:14