As histórias de criação do Gênesis se contradizem?

Um dos marcos da fé evangélica é que a Bíblia é verdadeira em tudo o que afirma. A Associação Nacional de Evangélicos afirma que “acreditamos que a Bíblia é inspirada, a única Palavra de Deus infalível e autoritativa”.

Uma inferência necessária desse princípio é que a Bíblia não se contradiz. A lei da não contradição significa que se algo é verdadeiro, então o oposto disso é falso. Se a Bíblia diz que Jacó teve doze filhos, ela não pode dizer que Jacó nunca teve filhos. Isso seria uma contradição e colocaria em dúvida pelo menos uma dessas afirmações. O que tornaria a afirmação de que a Bíblia é “infalível” suspeita.

Essa afirmação de que a Bíblia não se contradiz é frequentemente questionada. As discrepâncias entre as contas da criação de Gênesis 1 e 2 levam alguns a duvidar. Será que essas passagens se contradizem? Podemos resolver isso?

Sabemos que as primeiras páginas de Gênesis nos mostram a criação do universo e da humanidade. Também sabemos que Gênesis 3 nos dá uma explicação de por que a boa criação de Deus está na situação em que está agora. Gênesis trata de começos, e os três primeiros capítulos nos dizem de onde viemos, por que as coisas estão bagunçadas e nos dão uma pista de para onde estamos indo. Mas, à medida que esses capítulos contam a história, há alguns pontos que parecem se contradizer.

A primeira área problemática diz respeito ao momento em que as plantas foram criadas. Em Gênesis 1, a vegetação brota no terceiro dia. Mas no segundo capítulo, parece que a vegetação não havia brotado até que ele criou a humanidade. Mas em Gênesis 1, a humanidade não é criada até o sexto dia. Qual é a verdade?

A segunda área problemática envolve a criação dos animais. Em Gênesis 1, eles são criados no quinto dia – um dia antes de Adão. Mas em Gênesis 2:19, parece que eles não foram criados até depois que o homem foi criado. Isso também cria uma complexidade com a criação da mulher. Gênesis 1 parece dizer que tanto o homem quanto a mulher foram criados ao mesmo tempo depois que todos os outros animais foram criados. Mas Gênesis 2 parece dizer que Adão foi criado, depois todos os animais, e então Eva. Isso é uma contradição?

Antes de explorar o texto em si, há um princípio geral que tento usar ao analisar supostas contradições como essas. É um princípio simples, na verdade. Você está pronto para ele? É que as pessoas que escreveram a Bíblia não eram completas idiotas.

Da mesma forma, duvido que Moisés (ou mesmo se você quiser dar crédito a um compilador posterior) fosse tão denso a ponto de não ver as discrepâncias aqui. Em vez de pensar que a Bíblia é fraca e cheia de contradições, talvez devêssemos pausar e perguntar humildemente: “Moisés, o que você está fazendo aqui”? Quando fazemos isso, começamos a ver a beleza em vez dos erros. Nossa primeira ajuda é perguntar por que Moisés se deu ao trabalho de colocar duas narrativas?

Uma das falhas mais comuns que as pessoas cometem ao encontrar essas “contradições” é não dar o devido respeito a diferentes gêneros. Isso é parcialmente o problema com Gênesis 1 e 2. Moisés está fazendo algo diferente nesses capítulos. O primeiro capítulo é uma visão geral. No final do capítulo (ou pelo menos até 2:3), você deveria concluir que tudo foi criado por Deus e era bom. E há também uma menção ao descanso do sábado lá.

No capítulo 2, o autor está focando na criação da humanidade. Mas ele também está nos levando a algum lugar. Observe a redação de Gênesis 2:4. “Estas são as gerações…” Agora pegue sua Bíblia e olhe Gênesis 5:1, 6:9, 10:1, 11:10, 25:12, 36:1, 37:2. Você percebe algo?

Isso não é apenas a história da humanidade. É a história da redenção. Deus está traçando – mesmo nessas etapas iniciais – a linha pela qual Jesus virá. Moisés está contando a história aqui não apenas da humanidade em geral, mas a história de seu povo. É por isso que existem duas narrativas. E ele está contando a história de forma mais poética no segundo capítulo.

Ao final do capítulo 2, entendemos o propósito da criação especial de Deus. Vemos que a humanidade foi colocada em um jardim para trabalhar e guardá-lo. Vemos a humanidade se relacionando com seu Criador. Em resumo: vemos a humanidade com o propósito de ter descanso, domínio e relacionamento. Se você estivesse ouvindo Moisés contar essa história – a história de seu povo – pela primeira vez, sairia desse capítulo dizendo: “Ah, é por isso que estamos aqui.”

Anteriormente, observamos a aparente contradição com a criação das plantas. Gênesis 1 nos diz que todas foram criadas no terceiro dia – e então Gênesis 2 parece tê-las criado somente depois que ele criou o homem e a mulher. O que Moisés poderia estar fazendo em Gênesis 2?

Vamos esquecer a cronologia por um momento. Finja que Gênesis 1 não existe. Que história surgiria de Gênesis 2:5? Você teria uma imagem de terra estéril. “Não havia homem para trabalhar a terra” é uma afirmação significativa. Está nos dizendo por que a humanidade era necessária. Aponta para nosso propósito. Mas também nos conectará com a história de Gênesis 3. Observe o que acontece em Gênesis 3:18 e 23. Isso impacta a terra. Kenneth Mathews explica o pensamento aqui.

Estamos destinados a olhar para 2:5 e ver o caos e o jardim negligenciado. A palavra “então” no versículo 7 tem tanto impacto quanto o “haja luz” de Gênesis 1. Gênesis 2:7-9 trata de Deus “da terra” criando vida. E é lindo e maravilhoso. Mas devemos manter essa cena maravilhosa em mente ao entrarmos nos destroços de Gênesis 3. A terra agora produz uma maldição em vez de uma bênção.

Não é uma contradição, assim como Provérbios 26:4-5 não é uma contradição. Está falando de duas coisas diferentes. Em Gênesis 2, Moisés tem um ponto e intenção diferentes do que em Gênesis 1. Ele não está tentando nos dar uma cronologia em Gênesis 2, mas poeticamente nos dar uma descrição de uma terra estéril que nos ajudará a responder à pergunta fundamental – o que aconteceu entre a beleza de Gênesis 1 e os destroços em que vivemos hoje?

Às vezes acusamos a Bíblia de uma contradição porque estamos lendo mais no texto do que está lá. Levamos nossas suposições para ambos os versos e não deixamos o texto falar por si. Esse é o caso da suposta contradição da criação de Eva (bem como o momento dos animais).

Gênesis 1:27 nos diz que Deus criou Adão e Eva ao mesmo tempo. Mas será que isso? Isso apenas nos diz que Deus criou a humanidade – masculina ou feminina, eles, como tudo o mais na boa criação de Deus, vieram por meio de Sua ação e não da nossa. Isso é tudo o que está nos dizendo.

Pessoalmente, acredito que Adão e Eva foram criados no sexto dia. Acredito que isso é implícito em Gênesis 1 que ambos foram criados após o sexto dia (seja lá o que o autor queira dizer com isso). Mas você pode ver que existem outras opções além de uma contradição definitiva. O texto não precisa se contradizer.

Lembre-se de que, quando chegamos a Gênesis 2:4, o autor está mudando seu propósito. Isso não são duas histórias de criação misturadas. Não, este é um autor criativo nos contando uma grande história de dois ângulos diferentes e com dois propósitos diferentes. Quando ele se concentra na criação de Eva como uma ajudante adequada, o autor não está tentando nos dizer como ela chegou aqui, mas por quê.

Gênesis 2 não é para ser uma cronologia. E podemos ver isso na linguagem. Vou admitir que não sou muito bom em hebraico. Mas aqueles que são bons em hebraico me dizem que a palavra em Gênesis 2:19 para “formado” pode ser um plus-que-parfait. Isso é uma forma de dizer que você pode traduzir o texto como “O Senhor Deus havia formado.” Não está dizendo que no sexto dia Deus criou um animal naquele momento e o trouxe para Adão. Não, está nos dizendo que dos animais que Deus já havia feito, ele os trouxe a Adão.

Embora isso nos dê um sexto dia bem movimentado, não há uma contradição aqui.

Concluindo, percebo que para um cético, algumas dessas respostas podem parecer menos do que satisfatórias. Queremos ler a Bíblia como um livro didático científico – detalhando os aspectos de maneira muito literal. Mas a realidade é que Moisés está fazendo algo diferente aqui. Honramos a Bíblia, não quando tentamos encaixá-la nas categorias que criamos, mas quando deixamos o texto falar por si.

E a realidade é que Moisés nos diz duas coisas diferentes, embora não contraditórias, em Gênesis 1 e Gênesis 2. Como mencionado anteriormente, é semelhante ao que vemos em Provérbios 26. Às vezes você responde a um tolo. Às vezes, não. Sua situação determina qual verso você emprega.

O quadro geral é que em Gênesis 1, devemos sair dizendo: “Deus criou tudo. Ele fez isso de forma ordenada. Foi lindo. Foi bom. E ele descansou.” Em Gênesis 2, continuamos o tema da bondade da criação, mas aqui nos concentramos na criação da humanidade e vemos nosso propósito especial. Para nos contar isso e pintar o quadro, o autor precisa de alguma tensão narrativa. Ele não vai contar uma história cronológica aqui, mas sim responder à pergunta de por que a humanidade está aqui. E tudo isso nos leva a Gênesis 3 e explica por que o mundo hoje parece diferente do bom mundo que Deus criou.