Abraão, Nosso Pai na Fé

Texto: Gênesis 12:1-3

Introdução

Meu sermão esta noite vai se concentrar em Gênesis 12:1-3, onde começamos nosso estudo de Abraão. Os primeiros onze capítulos de Gênesis se concentraram em cinco fatos criticamente importantes:

1. Que Deus criou os céus e a terra e que originalmente tudo era muito bom;

2. Que Adão pecou e morreu, trazendo pecado e morte a todos os seus descendentes naturais;

3. Que Deus graciosamente prometeu um redentor;

4. O pecado do homem aumentou muito e Deus destruiu todas as pessoas, exceto oito, salvando apenas Noé e sua família;

5. Que Deus então renovou sua aliança de graça com o homem através de Noé.

Os temas principais nestes capítulos foram as ações soberanas, graciosas e boas de Deus em contraste com a depravação total da humanidade caída. E a eleição graciosa de Deus de alguns da humanidade caída para a salvação, enquanto julga com justiça todos os outros.

A história de Abraão é um grande ponto de virada no livro de Gênesis, por isso vale a pena preparar o cenário dando uma breve olhada em alguns dos materiais anteriores. Em Gênesis 11:10 nos é dito: “Este é o relato de Sem”. Esta é a quinta ocorrência da palavra hebraica traduzida como “conta” no livro de Gênesis e sempre começa uma nova seção. O primeiro uso foi em Gênesis 2:4, onde nos foi dito: “Esta é a narrativa dos céus e da terra quando foram criados”. A segunda ocorrência foi em Gênesis 5:1, onde lemos: “Este é o relato escrito da linhagem de Adão”. O terceiro uso foi em Gênesis 6:9, onde diz: “Este é o relato de Noé”. E o quarto uso foi em Gênesis 10:1, onde lemos: “Este é o relato de Sem, Cão e Jafé, filhos de Noé”. E o restante do Capítulo Dez apresenta a Tabela das Nações, mostrando-nos que todos os povos e nações da terra vieram de Noé. Lembre-se de que Deus havia ordenado a Noé e seus filhos: “Sede fecundos, aumentai em número e enchei a terra” em Gênesis 9:1.

Mas, o povo desobedeceu ao mandamento de Deus. Eles se estabeleceram nas planícies de Sinar e lá construíram uma grande torre, tentando fazer um nome para si mesmos e evitar serem espalhados por toda a terra. Mas Deus ficou irado com sua desobediência e arrogância e confundiu sua linguagem e os dispersou.

Cronologicamente, a Torre de Babel em Gênesis 11:1-9 precedeu a Tabela das Nações dada no capítulo dez, como você pode ver, por exemplo, em Gênesis 10:5 onde lemos sobre os filhos de Jafé se espalhando, “cada qual segundo a sua língua”. Esta declaração deixa claro que Deus já havia confundido a linguagem deles. Então, no versículo 20, lemos a declaração resumida: “São esses os filhos de Cão segundo as suas famílias, segundo as suas línguas, em suas terras, em suas nações”. E uma declaração resumida idêntica é feita sobre os filhos de Sem no versículo 31. Assim, os descendentes de todos os três filhos de Noé tiveram sua linguagem confundida e foram dispersos depois que Deus julgou sua arrogância.

Então, em Gênesis 11:10 começamos um relato mais detalhado de Sem, que é o mais importante dos filhos de Noé em termos do plano de redenção de Deus, e cujo nome é a origem do nosso termo semita. Além disso, em Gênesis 10:21 nos é dito que “Sem, que foi o pai de todos os filhos de Eber”. E Eber é a fonte de nossa palavra Hebreu. Esses fatos prenunciam a mudança de ênfase no livro de Gênesis da criação em geral para o povo escolhido de Deus.

Nos versículos seguintes do Capítulo Onze, recebemos uma lista dos descendentes de Sem, o que nos leva ao versículo 25, onde pela primeira vez ouvimos falar de Terá, pai de Abraão. Então, no versículo 27, vemos a sexta ocorrência da expressão agora familiar. Lemos: “Estas são as gerações de Tera: Tera gerou a Abrão, a Naor e a Harã; e Harã gerou a Ló”. Não veremos essa expressão novamente até o Capítulo Vinte e Cinco. Agora, o próprio Terá não é uma figura tão importante, mas seu filho Abraão é sem dúvida a pessoa mais importante na Bíblia fora Jesus Cristo e, portanto, Gênesis passa muito tempo lidando com sua vida.

Nos é dito em Gênesis 11:26 que “Tera viveu setenta anos, e gerou a Abrão, a Naor e a Harã”. Mas apesar do fato de Abrão ser listado em primeiro lugar, ele quase certamente não era o filho mais velho e é provável que ele fosse realmente o mais novo. Nos é dito em Gênesis 11:32 que Terá viveu 205 anos e morreu em Harã, e em Gênesis 12:4 nos é dito que Abrão deixou Harã quando tinha setenta e cinco anos. Então, em Atos 7:4, nos diz que Abraão deixou Harã após a morte de seu pai, o que significa que Abraão deve ter nascido quando seu pai tinha pelo menos 130 anos. Portanto, Abraão provavelmente foi listado em primeiro lugar por causa de sua proeminência, em vez de ser o primogênito.

Os primeiros onze capítulos de Gênesis cobrem um período de pelo menos 2.000 anos, embora certamente possa ter sido muito mais longo por causa de possíveis lacunas tanto no relato da criação quanto nas genealogias. Em contraste, os Trinta e Nove Capítulos restantes cobrem apenas um período de cerca de 700 anos.

E não apenas a escala de tempo é muito diferente nos próximos capítulos, o foco também é muito diferente. O foco muda da criação e da humanidade em geral para o povo escolhido de Deus, os descendentes de Abraão. Daqui em diante na Bíblia, as outras pessoas no mundo são tratadas apenas na medida em que interagem com o povo de Deus. A Bíblia inteira nos ensina sobre o amor eletivo de Deus do começo ao fim e começa com a escolha de Noé, Abraão, Isaque e Jacó, a quem Deus renomeou Israel.

Paulo nos diz em Romanos 4:16 que Abraão é o pai de todo o povo escolhido de Deus, sejam eles descendentes de judeus ou não. E é por isso que este sermão é intitulado, Abraão, nosso Pai na Fé. E enquanto os estudiosos modernos não acreditam mais que Abraão foi uma figura histórica, o testemunho da Bíblia é claro e inequívoco. Abraão realmente viveu e realmente é o pai espiritual de todos os crentes. Sua vida tem muitas lições importantes das quais podemos e devemos aprender.

Ao considerarmos os três primeiros versículos de Gênesis Doze nesta noite, tenho quatro pontos a destacar: Primeiro, Deus nos chama para sair; Segundo, Deus nos chama a seguir; Terceiro, somos a nova criação de Deus; E quarto, recebemos a bênção de Deus e abençoamos os outros. Em resumo, você poderia dizer que os quatro pontos são: deixar, seguir, nova criação e bênção. Vamos começar com o meu primeiro ponto: Deus nos chama para sair.

I. Deus Nos Chama Para Sair

Gênesis 12:1 nos diz que Deus disse a Abrão para deixar sua terra. Mas antes que possamos entender este versículo, precisamos olhar para trás nos versículos 27 a 32 do capítulo onze. Nesses versículos nos é dito que Abrão se casou com Sarai e que ela era estéril. E então, o mais importante, nos é dito no versículo 31 que “Tomou Tera a Abrão seu filho, e a Ló filho de Harã, filho de seu filho, e a Sarai sua nora, mulher de seu filho Abrão, e saiu com eles de Ur dos Caldeus, a fim de ir para a terra de Canaã; e vieram até Harã, e ali habitaram”

Além disso, precisamos ver o que Estevão disse em seu discurso ao Sinédrio. Em Atos 7:2-4 lemos que ele disse: “Estêvão respondeu: Irmãos e pais, ouvi. O Deus da glória apareceu a nosso pai Abraão, estando ele na Mesopotâmia, antes de habitar em Harã, e disse-lhe: Sai da tua terra e dentre a tua parentela, e dirige-te à terra que eu te mostrar. Então saiu da terra dos caldeus e habitou em Harã. Dali, depois que seu pai faleceu, Deus o trouxe para esta terra em que vós agora habitais”.

Com todo esse pano de fundo, agora podemos entender Gênesis 12:1; diz: “Ora, o Senhor disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei”. A versão NVI começa com “Então o Senhor disse a Abrão”, mas a NVT é uma tradução mais precisa do hebraico, diz: “O Senhor tinha dito a Abrão”. James Boice pensa, e eu concordo, que Deus provavelmente fez a Abrão esse chamado duas vezes. Do discurso de Estêvão ao Sinédrio, aprendemos que este chamado veio pela primeira vez a Abrão enquanto ele ainda estava na Mesopotâmia, antes de morar em Harã. E então, como lemos em Gênesis 11:31, Abrão deixou a Mesopotâmia, ou mais precisamente, Ur dos caldeus, com seu pai Terá, sua esposa Sarai e seu sobrinho Ló. Mas eles não foram até Canaã, eles pararam em Harã. E então, no último versículo de Gênesis Onze, nos é dito que o pai de Abrão, Terá, morreu em Harã.

Precisamos ter cuidado para não ler muito sobre isso, mas parece que Abrão não obedeceu totalmente a Deus na primeira vez. Foi-lhe dito para deixar seu país, seu povo e a casa de seu pai, mas quando ele deixou seu país, ele tinha seu pai e sobrinho com ele, então ele não deixou completamente a casa de seu pai. É possível, como Calvino pensava, que Terá estava disposto a deixar sua idolatria para trás e seguir por boas razões, mas mesmo que fosse esse o caso, Abrão ainda tinha Ló com ele e se estabeleceu em Harã, que não era onde Deus queria que ele parasse. Portanto, acho mais provável que Abrão tenha pelo menos hesitado em sua obediência à ordem de Deus na primeira vez.

Se for assim, então a repetição da ordem por Deus é um exemplo incrível de seu trato gracioso com seu povo escolhido. Aqueles a quem Deus escolheu salvar serão, de fato, salvos. Sua palavra sempre cumpre seu propósito. O chamado de Deus é irresistível, e é por isso que dizemos que é o seu chamado eficaz. Você pode resistir a tudo o que quiser e com todas as suas forças, mas Deus vencerá no final. E louve a Deus por sua graça salvadora!

Devemos também tomar nota de quão difícil este comando foi para Abrão. Ele morava em Ur dos Caldeus, que ficava, provavelmente, perto do extremo sudeste do crescente fértil no que hoje é o sudeste do Iraque, não muito longe do Golfo Pérsico. Era um lugar com muita água e solo fértil e era um centro comercial culturalmente avançado na época. Enfim, era um bom lugar para se viver. E, o mais importante, era a casa de Abrão. Mas Deus o chamou para sair.

Deus também o chamou para deixar seu povo e a casa de seu pai. E em Josué 24:2 nos é dito que “Terá, pai de Abraão e Naor, morava além do rio e adorava outros deuses”. Portanto, podemos ver uma razão pela qual Deus queria que Abrão deixasse sua família, eles eram idólatras! Não nos é dito explicitamente que o próprio Abrão adorava ídolos, mas isso parece provável.

E assim, Deus deu a Abrão esta ordem muito difícil – para deixar tudo o que ele conhecia para seguir a Deus. E este é precisamente o mesmo mandamento que Deus dá a cada um de seus filhos escolhidos. Como Jesus disse aos seus discípulos em Mateus 16:24 “Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me”. E em Lucas 14:26 ele disse: “Se alguém vier a mim, e não aborrecer a pai e mãe, a mulher e filhos, a irmãos e irmãs, e ainda também à própria vida, não pode ser meu discípulo”. E então, em Lucas 14:33, Jesus disse: “Assim, pois, todo aquele dentre vós que não renuncia a tudo quanto possui, não pode ser meu discípulo”.

Deixe-me dizer-lhe, a salvação é gratuita. Não podemos comprá-la. Mas, ao mesmo tempo, a salvação custa tudo o que você tem, porque se você nasceu de novo, você é uma nova criação e este mundo não é mais seu lar. Você é um estranho aqui. Você mudou sua lealdade do reino de Satanás para o reino de Deus. Você é um cidadão do céu e está a caminho de lá.

É-nos dito em Hebreus 11:8-10 que “Pela fé Abraão, sendo chamado, obedeceu, saindo para um lugar que havia de receber por herança; e saiu, sem saber para onde ia. Pela fé peregrinou na terra da promessa, como em terra alheia, habitando em tendas com Isaque e Jacó, herdeiros com ele da mesma promessa; porque esperava a cidade que tem os fundamentos, da qual o arquiteto e edificador é Deus”.

Irmãos e irmãs, se somos verdadeiramente filhos de Deus, então faremos o que Abraão fez. Vamos obedecer ao chamado de Deus para deixar este mundo para trás. Viveremos aqui como estranhos e aguardaremos nosso lar celestial.

E note que Deus não disse a Abraão para onde ele estava indo. Ele disse “vai para a terra que eu te mostrarei”. E esta afirmação não está em desacordo com o que lemos em Gênesis 11:31, onde nos foi dito que Abrão e os outros “partiram de Ur dos caldeus para ir a Canaã”. Esta afirmação não significa que Deus disse a Abrão que Canaã era o destino. Isso é o que é chamado de prolepse, que é uma declaração que usa uma informação ainda não conhecida no momento do evento que está sendo escrito. O escritor sabia que Canaã era o destino final, mas Abrão não. Abrão foi simplesmente instruído a ir para a terra que Deus lhe mostraria. Nos é dito explicitamente em Hebreus 11:8 que “Abraão… não sabia para onde estava indo”.

E que prova de fé foi essa! Abraão teve que deixar tudo o que sabia para trás, mesmo sem saber para onde estava indo. E esse é, novamente, o mesmo mandamento que Deus dá a cada um de seus filhos. Somos chamados a segui-lo, o que leva ao meu segundo ponto, Deus nos chama a segui-lo.

II. Deus Nos Chama Para Seguir

Lembra quando Jesus disse a seus discípulos que iria para o céu preparar um lugar para eles e que depois voltaria e os levaria para estar com ele? Lemos em João 14:4 que ele então lhes disse: “E para onde eu vou vós conheceis o caminho”. Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho?” Ao que Jesus respondeu em João 14:6: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim”.

Essa é a mesma ideia. Deus disse a Abraão para ir para a terra que Deus lhe mostraria. Da mesma forma, estamos em uma jornada. Não sabemos exatamente para onde estamos indo, nem sabemos a rota exata pela qual Deus nos levará, mas sabemos o caminho. É seguir Jesus. Em outras palavras, andar em obediência aos seus mandamentos. Isso às vezes é difícil, porque os caminhos de Deus não são os caminhos do mundo e haverá conflito doloroso. Mas é aqui que a borracha realmente encontra a estrada como cristão. Devemos confiar e obedecer, especialmente quando não entendemos ou concordamos.

E se você nasceu de novo, você vai confiar e obedecer porque você sabe que Deus é o Senhor soberano do universo. Você sabe que ele é bom e suas promessas e advertências são todas certas. Você sabe que ele é capaz de fazer as coisas funcionarem mesmo quando não vemos nenhum caminho possível para o sucesso. Você sabe que ele sabe o que é melhor e está mais preocupado em honrá-lo e obedecê-lo do que em alcançar o sucesso mundano.

Ao seguir Jesus, devemos viver e trabalhar neste mundo, mas não devemos ser deste mundo. Em 1 Coríntios 5:9-10, Paulo escreveu: “Já por carta vos escrevi que não vos comunicásseis com os que se prostituem; com isso não me referia à comunicação em geral com os devassos deste mundo, ou com os avarentos, ou com os roubadores, ou com os idólatras; porque então vos seria necessário sair do mundo”. Mas, como Paulo deixa claro, não devemos deixar este mundo. Devemos ser sal e luz e falar a este mundo sobre Jesus Cristo, o único Salvador.

Mas mesmo que devamos permanecer neste mundo, não somos deste mundo. Em outras palavras, não devemos viver pelos mesmos padrões ou ter os mesmos objetivos que as pessoas do mundo. Em 2 Coríntios 10:2, Paulo escreveu: “sim, eu vos rogo que, quando estiver presente, não me veja obrigado a usar, com confiança, da ousadia que espero ter para com alguns que nos julgam como se andássemos segundo a carne”. Sua mensagem é clara – essas pessoas estavam erradas. Os cristãos não vivem pelos padrões deste mundo. Paulo continuou no versículo 3 a dizer: “Porque, embora andando na carne, não militamos segundo a carne”.

Paulo se refere à guerra por uma boa razão. Seguir a Jesus não é a maneira fácil e confortável de passar pela vida. Não é o caminho aprovado pelo mundo e não levará, em geral, a um grande sucesso mundano. Em vez disso, levará a um conflito com o mundo. Mas devemos lembrar o que Jesus disse a seus discípulos em João 15:18-19: “Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim. Se fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; mas, porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia”

O mundo diz para colocar o número um em primeiro lugar, e isso significa que você é o número um! Mas para um cristão, Deus deve ser o número um. Jesus disse: “Se alguém vier a mim, e não aborrecer a pai e mãe, a mulher e filhos, a irmãos e irmãs, e ainda também à própria vida, não pode ser meu discípulo”. (Lucas 14:26) Jesus disse: “Se alguém quer ser o primeiro, deve ser o último e o servo de todos”. (Marcos 9:35) Jesus disse: “quem se humilha como uma criança é o maior no reino dos céus”. (Mateus 18:4) Jesus disse: “Quem quiser se tornar grande entre vocês deve ser seu servo, e quem quiser ser o primeiro deve ser seu escravo” (Mateus 20:26-27) E em Mateus 5:3-12, Jesus disse: “Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados. Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça porque eles serão fartos. Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia. Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus. Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus. Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguiram e, mentindo, disserem todo mal contra vós por minha causa. Alegrai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram aos profetas que foram antes de vós”.

Você pode imaginar algo mais contrário aos caminhos do mundo do que isso? O mundo diz que bem-aventurados são os ricos, os felizes, os orgulhosos e os poderosos. Jesus diz bem-aventurados os pobres, os que choram, os mansos e os misericordiosos.

Em vários lugares a Bíblia nos diz que Deus se opõe aos orgulhosos, mas dá graça aos humildes. E porque a maneira de seguir a Jesus é tão diferente dos caminhos deste mundo, somos chamados a ser peregrinos e forasteiros aqui, assim como Abraão foi quando saiu de sua casa. Por exemplo, o apóstolo Pedro começou sua primeira epístola escrevendo: “Pedro, apóstolo de Jesus Cristo, aos eleitos de Deus, estrangeiros no mundo” (1 Pedro 1:1). E ele continuou em 1 Pedro 1:17 para dizer: “E, se invocais por Pai aquele que, sem acepção de pessoas, julga segundo a obra de cada um, andai em temor durante o tempo da vossa peregrinação”. E então em 1 Pedro 2:11 ele escreveu: “Amados, exorto-vos, como a peregrinos e forasteiros, que vos abstenhais das concupiscências da carne, as quais combatem contra a alma”. Nossa guerra não é apenas contra o mundo, é também contra nossa velha natureza pecaminosa.

Abraão e os outros grandes homens e mulheres de fé caminharam por este mundo como peregrinos. Em Hebreus 11:9 nos é dito que “Pela fé [Abraão] peregrinou na terra da promessa, como em terra alheia, habitando em tendas com Isaque e Jacó, herdeiros com ele da mesma promessa”. E então no versículo 13 continua dizendo que “Todos estes morreram na fé, sem terem alcançado as promessas; mas tendo-as visto e saudado, de longe, confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra”

Irmãos e irmãs, o chamado de Deus para nós é claro. Devemos deixar nosso antigo modo de vida para trás e viver como peregrinos aqui na terra. Devemos seguir a Jesus, o que significa obedecer à sua Palavra. Mas há também uma grande promessa ligada a este comando. Se estamos em Cristo, então Paulo nos diz em Efésios 2:19-20: “Já não sois estrangeiros e forasteiros, mas concidadãos do povo de Deus e membros da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, com O próprio Cristo Jesus como a principal pedra angular”. Que declaração maravilhosa é essa! Somos estranhos ao mundo, mas as pessoas deste mundo são estrangeiras e alheias ao reino de Deus, enquanto somos concidadãos do reino de Deus. Somos membros da família de Deus, seus filhos adotivos. Aleluia! Este mundo não é nosso lar, mas, louvado seja Deus, o céu é! E nos é dito em Gálatas 3:29: “Se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão e herdeiros conforme a promessa”. Quão maravilhoso é isso? Somos herdeiros segundo a promessa. Ou, como Paulo diz em Romanos 8:17, somos “herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo”.

Eu acho que é um bom negócio, não é? Éramos cidadãos deste mundo e herdeiros apenas da condenação eterna, mas agora somos cidadãos do céu e co-herdeiros com Cristo da vida eterna no reino de Deus.

Em Mateus 19:29, Jesus prometeu a seus discípulos que “todo aquele que deixar casas, irmãos, irmãs, pai, mãe, filhos ou campos por minha causa receberá cem vezes mais e herdará a vida eterna”.

E Deus não espera que o sigamos em nossa própria força. Na verdade, é impossível seguir Jesus em sua própria força. Aqueles que tentam, todos acabam por falhar. É por isso que João escreveu sobre aqueles que deixam a igreja em 1 João 2:19, dizendo: “Saíram dentre nós, mas não eram dos nossos; porque, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; mas todos eles saíram para que se manifestasse que não são dos nosso”

Devemos perseverar na fé para provar que realmente pertencemos a Cristo, e Deus promete que, de fato, terminaremos a corrida. Em João 10:28-29 Jesus, ao falar sobre seus seguidores, disse: “Eu lhes dou a vida eterna, e eles nunca perecerão; ninguém pode arrancá-los da minha mão. Meu Pai, que me deu, é maior do que todos; ninguém pode arrebatá-los da mão de meu Pai”. Louve a Deus! Estamos eternamente seguros como filhos de Deus. E nossa perseverança na fé não depende de nossa força, porque Deus nos muda para tornar isso possível e então nos conduz e nos capacita pelo seu Espírito Santo. E isso leva ao meu terceiro ponto, somos a nova criação de Deus.

III. Somos a Nova Criatura de Deus

No segundo versículo de nossa passagem desta noite, Gênesis 12:2, Deus disse a Abraão: “Eu farei de ti uma grande nação; abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome; e tu, sê uma bênção”. Observe que Deus diz “Eu farei” – não podemos deixar este mundo e seguir a Cristo em nossa própria força. Devemos, como Cristo disse a Nicodemos, nascer de novo do alto. E se nascemos de novo, então estamos unidos a Jesus Cristo pela fé. E somos então batizados em seu nome, e como Paulo escreveu em Romanos 6:4: “Fomos, pois, sepultados com ele pelo batismo na morte, para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida”. Louve a Deus! Estar unidos a Cristo pela fé nos dá o poder de viver uma nova vida!

Deus nos deu um novo coração – significando uma nova visão de mundo, uma nova compreensão, um novo conjunto de afeições e um novo conjunto de prioridades. Somos radicalmente diferentes. E Deus prometeu isso no Antigo Testamento. Em Ezequiel 36:25-27 Deus declarou: “Então aspergirei água pura sobre vós, e ficareis purificados; de todas as vossas imundícias, e de todos os vossos ídolos, vos purificarei. Também vos darei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne. Ainda porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis as minhas ordenanças, e as observeis”. É assim que nos tornamos verdadeiros filhos de Abraão pela fé. Como Paulo escreveu em 2 Coríntios 5:17, “Pelo que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo”

Que promessa gloriosa nos é dada. Deus disse a Abraão que ele faria dele uma grande nação, e ele o fez. Ele disse que o abençoaria, e o fez. Ele disse que faria seu nome grande, e ele fez.

Mas isso não se refere à visão de grandeza do mundo, nem se refere principalmente aos descendentes físicos de Abraão. Em Romanos 9:6-8 Paulo escreveu que “Não que a palavra de Deus haja falhado. Porque nem todos os que são de Israel são israelitas; nem por serem descendência de Abraão são todos filhos; mas: Em Isaque será chamada a tua descendência. Isto é, não são os filhos da carne que são filhos de Deus; mas os filhos da promessa são contados como descendência”. E se você está em Cristo, você é um filho da promessa, você é um dos verdadeiros descendentes de Abraão. Você é um filho de Deus.

E se você é um filho de Deus, então você é uma nova criatura. Você tem uma nova natureza e tem o Espírito Santo para guiá-lo e capacitá-lo. Você tem o poder de dizer “não” ao pecado e andar em santidade. A mudança radical que foi feita é real. Isso é chamado de santificação definitiva e é inteiramente obra de Deus. Produz uma mudança radical, mas não traz uma mudança completa. Ainda temos pecado em nós e devemos trabalhar, guiados e capacitados pelo Espírito Santo, para matar o pecado a cada dia, que é o processo de santificação progressiva, que é um processo no qual estamos ativamente envolvidos.

Então, se você é uma nova criação, ouça a admoestação do apóstolo Paulo em Efésios 4:17. Ele escreveu: “Portanto digo isto, e testifico no Senhor, para que não mais andeis como andam os gentios, na verdade da sua mente”. E então ele continuou nos versículos 22-24, dizendo: “a despojar-vos, quanto ao procedimento anterior, do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano; a vos renovar no espírito da vossa mente; e a vos revestir do novo homem, que segundo Deus foi criado em verdadeira justiça e santidade”. Então, eu pergunto, você é uma nova criatura? Se você não tem certeza, clame a Deus e peça misericórdia. Confesse seus pecados. Ele não vai te afastar.

Deus trabalha em cada um de nós assim como trabalhou em nosso pai Abraão. Veremos nas próximas semanas as provações pelas quais Abraão passou. E todos nós passaremos por provações também. Então aprenda com Abraão! Sempre que ele confiava em suas próprias ideias e força, ele caía e causava dor a si mesmo e aos outros. Mas sempre que ele confiou e obedeceu a Deus, ele foi abençoado e, como resultado, o mundo é abençoado por meio dele. E isso me leva ao meu quarto ponto, recebemos a bênção de Deus e abençoamos os outros.

IV. Recebemos a Bênção de Deus e Abençoamos os Outros

Deus abençoou grandemente Abraão, tanto nesta vida como para sempre. Ele se tornou muito rico e poderoso, mas acima de tudo experimentou a presença de Deus com ele e, portanto, tinha grande confiança de que Deus, de fato, cumpriria todas as suas promessas. Ele aprendeu através do sofrimento a depender de Deus mesmo quando não podia ver como as coisas iriam acontecer. O exemplo mais dramático disso, é claro, é quando Deus lhe disse para sacrificar Isaque, o filho da promessa. Sabemos que Abraão obedeceu imediatamente e partiu para fazer o que Deus havia exigido. É-nos dito em Hebreus 11:19 como Abraão encontrou forças para obedecer a esta ordem difícil, nos é dito que “Abraão raciocinou que Deus poderia ressuscitar os mortos”, e então estava pronto e disposto a sacrificar seu filho. Mas Deus o impediu e providenciou um carneiro no lugar de Isaque.

Também devemos aprender a obedecer a Deus, não importa o que aconteça. Devemos usar nossa razão santificada, guiada pelo Espírito Santo. Há momentos na vida em que parece que obedecer a Deus não pode funcionar. Especialmente quando você é chamado a obedecer a autoridades delegadas que são seres humanos pecadores. Mas o que é impossível para o homem é possível para Deus. Portanto, leia a Palavra de Deus, ore, obtenha conselhos e obedeça a todos os mandamentos legítimos de todas as autoridades legítimas, não importa o que aconteça. Você será abençoado como resultado, assim como Abraão foi abençoado.

E observe o que diz no último versículo de nossa passagem; em Gênesis 12:3 Deus disse a Abraão: “Abençoarei aos que te abençoarem, e amaldiçoarei àquele que te amaldiçoar; e em ti serão benditas todas as famílias da terra”.

Quando deixamos este mundo para trás e seguimos fielmente a Deus, recebemos sua bênção, mas também nos tornamos uma fonte de bênção para os outros. Em primeiro lugar, é claro, temos o evangelho da vida eterna. Temos o que o mundo mais precisa. E se vivermos fielmente para Deus, isso incluirá contar aos outros sobre seus pecados e sua necessidade de um Salvador e o fato de que Jesus Cristo é esse Salvador. E nossas vidas obedientes podem ser usadas por Deus como testemunhas poderosas do evangelho.

Em 2 Coríntios 2:14 Paulo escreveu: “Graças, porém, a Deus que em Cristo sempre nos conduz em triunfo, e por meio de nós difunde em todo lugar o cheiro do seu conhecimento”. Você espalha a fragrância do conhecimento de Cristo onde quer que vá? Fazer isso é ser abençoado e ser uma fonte de bênção.

Mas há também uma responsabilidade que vem com essa bênção. Se não vivermos fielmente para Deus, trazemos descrédito ao evangelho e nos tornamos testemunhas das mentiras de Satanás. O próprio Abraão fez isso em algumas ocasiões e devemos nos alertar disso ao examinarmos sua vida nas próximas semanas. Esses exemplos nos são dados para que possamos aprender com os erros de Abraão. Nossos pecados não apenas nos trazem sofrimento, eles afetam outras pessoas, assim como o Reverendo apontou em seu sermão sobre o pecado e suas consequências. Nosso pecado afeta nossos cônjuges, nossos filhos, nossos netos, outros na igreja, nossos colegas de trabalho, vizinhos e assim por diante. Portanto, sejamos extremamente cuidadosos em viver de uma maneira que agrade a Deus, traga sua bênção para nós e nos capacite a ser uma fonte de bênção para outros.

E assim, concluindo, Abraão é nosso pai na fé. Seu chamado nos mostra claramente o que Deus exige de todos os seus filhos. Devemos deixar este mundo para trás e seguir a Cristo. Você fez isso? Ou você ainda está se apegando às coisas deste mundo?

Ouça a Cristo. Em Mateus 6:19-21, ele nos ordenou: “Não ajunteis para vós tesouros na terra; onde a traça e a ferrugem os consomem, e onde os ladrões minam e roubam; mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consumem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração”

Devemos nos perguntar: “O que é que eu realmente valorizo ​​mais? Onde está meu coração? Está aqui nesta terra, que está destinada à destruição? Ou é com meu Senhor no céu, que será para glória eterna?” Você pode responder a essas perguntas olhando para sua vida. O que você pensa sobre? O que você anseia? Onde você gasta a maior parte do seu tempo e esforço? Jesus continuou dizendo, em Mateus 6:24 que “Ninguém pode servir a dois senhores. Ou ele odiará um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Você não pode servir a Deus e ao Dinheiro”. E isso não é verdade apenas para o dinheiro, é verdade para qualquer coisa neste mundo. Você não pode servir a Deus e algo ou outra pessoa.

Então, olhe para a vida de Abraão e faça a mesma escolha que ele fez. Ele obedeceu e saiu de Harã e seguiu a Deus, sem saber para onde estava indo. Ele tropeçou muitas vezes ao longo do caminho, mas sempre se levantou, se arrependeu, buscou o Senhor e seguiu em frente. E ele está com Deus, e ele tem uma eternidade pela frente. Seja como Abraão! Confie em Deus e obedeça a Deus. Deixe seus velhos caminhos pecaminosos e siga a Cristo para a glória eterna. Viva como uma nova criatura, despojando-se do velho e revestindo-se do novo. Se você fizer isso, então as promessas de Deus são todas suas. Você será abençoado e será uma bênção para os outros.

Fonte: Esboçosermão