“A REPROVAÇÃO DE NATHAN”

2 Samuel 12:1-15

INTRODUÇÃO
  1. Muitos estão familiarizados com o pecado de Davi envolvendo Bate-Seba, resultando em adultério e assassinato.
  2. Embora essas tenham sido páginas sombrias no registro de Davi, elas foram preservadas para que lições pudessem ser aprendidas por aqueles que vieram depois – cf. 1Co 10:11-12.
  3. Há lições a serem aprendidas, não apenas dos erros de Davi, mas também da reprovação que Nathan deu a Davi por causa de seu pecado.
  4. Encontrada em 2Sm 12:1-15, a reprovação de Nathan servirá como base para nosso estudo hoje (LEIA).

[Entre as lições que podem ser extraídas da “Reprovação de Nathan” está esta…]

    1. FREQUENTEMENTE SOMOS CEGOS PARA NOSSAS PRÓPRIAS FALTAS
      1. NO CASO DE DAVI…
        1. Ele podia facilmente ver o pecado no homem da história de Nathan – 2Sm 12:5-6.
        2. Mas não em si mesmo; foi necessária uma acusação direta (“Você é o homem!”) de Nathan – 2Sm 12:7a.
      2. NO NOSSO CASO, ISSO FREQUENTEMENTE É VERDADE…
        1. Podemos facilmente ver o “argueiro” no olho de outra pessoa, mas não a “trave” no nosso.
        2. Existem várias razões para isso.
          1. Pode ser que deixemos fortes desejos confundirem a distinção clara entre o certo e o errado.
            1. Por exemplo, muitos suavizaram suas opiniões sobre o divórcio e o novo casamento quando isso afetou sua própria família.
            2. Portanto, mudando nossas convicções sobre uma posição quando isso afeta nosso próprio lar.
          2. Pode ser que flertemos habitualmente com o mal, diminuindo nosso senso de que é mal.
            1. Por exemplo, aceitando a definição do mundo sobre imodéstia em relação à vestimenta.
            2. Portanto, os padrões do mundo logo se tornam nossos padrões.
          3. Pode ser que recusemos aplicar os princípios das Escrituras à natureza moral de nossa conduta pessoal.
            1. Por exemplo, se certos hábitos são ou não consistentes com a vida cristã.
            2. Portanto, nos comportamos de uma maneira mais adequada a uma pessoa do mundo do que a um filho de Deus!
      3. POIS FREQUENTEMENTE SOMOS CEGOS PARA NOSSAS PRÓPRIAS FALTAS…
        1. Precisamos ser gratos por amigos como Nathan.
          1. Que se importam o suficiente para trazer nossas faltas à nossa atenção.
          2. Que têm coragem suficiente para questionar nossa conduta.
        2. Precisamos ser como Davi.
          1. Abrir-se para a crítica construtiva dos outros.
          2. Não ser tão cegos a ponto de não vermos nossas faltas quando apontadas por outros.

[Outra lição valiosa da “Reprovação de Nathan” é que aprendemos…]

    1. A MELHOR MANEIRA DE PROMOVER O ARREPENDIMENTO
      1. APPELE PARA O AMOR DE DEUS…
        1. Nathan lembrou Davi da grande bondade de Deus – 2Sm 12:7-8.
        2. Esse apelo com base no amor e na misericórdia de Deus é encontrado na pregação do evangelho.
          1. Paulo o fez em Rm 2:4.
          2. Da mesma forma, Pedro em At 10:34-36,42-43.

– Em nossos próprios esforços para salvar ou restaurar outros, certifiquemo-nos de fazer o mesmo apelo ao amor de Deus!

      1. REVELE O PECADO…
        1. Nathan foi muito claro ao dizer a Davi que o que ele fez estava errado – 2Sm 12:9.
        2. De maneira semelhante, o evangelho deixa claro que todos são pecadores – cf. Rm 3:23.

– As pessoas não se arrependerão a menos que percebam que são pecadoras, é necessário ajudá-las a ver seus pecados (com a atitude correta, é claro).

      1. ADVERTA SOBRE AS CONSEQUÊNCIAS…
        1. Nathan descreveu o que aconteceria por causa do pecado de Davi – 2Sm 12:10-12.
        2. O evangelho, embora contenha “boas novas”, não é diferente – cf. Mc 16:15-16; Rm 2:5-11.

– Ao buscar chamar outros ao arrependimento, devemos, com amor e grande solenidade, apontar as consequências do pecado!

[À medida que continuamos nossa análise da “Reprovação de Nathan”, agora vemos…]

    1. A ATITUDE ADEQUADA NO ARREPENDIMENTO
      1. DAVI FORNECE O EXEMPLO ADEQUADO…
        1. Ele tornou isso PESSOAL – “Eu pequei…” – 2Sm 12:13.
          1. Ele não tentou colocar a culpa em Bate-Seba ou nas circunstâncias.
          2. Ele não tentou espalhar a culpa para outros (por exemplo, o envolvimento de Joabe na morte de Urias).

– Ele aceitou a total responsabilidade de seu próprio pecado!

        1. Ele viu a verdadeira natureza de sua culpa: era “contra o SENHOR” – 2Sm 12:13.
          1. É verdade que ele também pecou contra Bate-Seba, Urias, sua própria esposa, etc.
            1. Mas o verdadeiro arrependimento vem de uma compreensão de que o pecado é mais do que uma violação das relações HUMANAS.
            2. É uma afronta ao DEUS que nos criou à Sua imagem!
          2. Observe, então, o que Davi escreveu em Sl 51:3-4 ao confessar seu pecado…
            1. “Contra ti, contra ti somente, pequei…”
            2. Com hipérbole poética, ele confessa seu pecado também contra Deus!
      1. MUITO ARREPENDIMENTO DE HOJE FALHA NESTE ASPECTO…
        1. Muitas vezes não tornamos nossos pecados PESSOAIS o suficiente.
          1. Podemos admitir rapidamente “Pecamos”.
          2. Mas também seremos rápidos em admitir “Eu pequei”?
        2. Muitas vezes não pensamos em como nossos pecados são CONTRA O SENHOR.
          1. A menos que o façamos, nosso arrependimento provavelmente será superficial.
          2. Isto é, nossa conduta mudará apenas o suficiente para satisfazer a aprovação dos homens.
          3. Por exemplo, alguém que precisa se arrepender de abandonar a congregação…
            1. Costumamos dizer que eles “pecaram contra a igreja”; embora verdadeiro, eles precisam apreciar que, na verdade, eles “pecaram contra o Senhor”!
            2. Se eles se veem apenas como tendo pecado contra a igreja…
              1. Eles podem se preocupar apenas em serem fiéis aos olhos da igreja.
              2. Corrigindo assim apenas sua conduta conforme a igreja os vê.
            3. Mas se eles se veem como tendo pecado contra o Senhor…
              1. Eles se preocuparão em serem fiéis aos olhos Dele.
              2. Corrigindo assim qualquer conduta visível apenas para o Senhor!

[Nossa próxima observação pode ser a mais encorajadora extraída da
“Reprovação de Nathan”…]

    1. O PERDÃO FORNECIDO POR DEUS
      1. O EXEMPLO DO PERDÃO DE DAVI…
        1. Seu perdão foi IMEDIATO – cf. 2Sm 12:13.
          1. Isto é, quando as condições adequadas foram atendidas.
          2. Em seu caso, a confissão de seu pecado.
        2. Seu perdão foi COMPLETO – cf. 2Sm 12:13.
          1. Nathan disse: “O SENHOR também perdoou o teu pecado”.
          2. A frase “perdoou” é semelhante a outros termos que sugerem um perdão completo do pecado: “cobriu”, “apagou”, “não se lembrará mais”.
      2. O PERDÃO DE DEUS É SEMELHANTE HOJE…
        1. Ele é tanto IMEDIATO quanto COMPLETO.
        2. Mas existem condições que devem ser atendidas.
          1. Para o não-cristão – cf. Jo 8:24; At 2:38; 22:16.
          2. Para o cristão – cf. 1Jo 1:9; At 8:22.
        3. Esse maravilhoso perdão é possível apenas por meio do sangue de Cristo! – Ef 1:7.

[Nossa observação final pode ser a mais séria a se contemplar…]

    1. AS CONSEQUÊNCIAS DO PECADO FREQUENTEMENTE SEGUEN MESMO APÓS O PERDÃO
      1. DAVI APRENDEU ISSO COM NATHAN…
        1. Embora ele tenha sido perdoado de seu pecado, ainda haveria consequências de seu pecado.
        2. Nathan listou-as em 2Sm 12:10-12,14; todas elas se cumpriram:
          1. O bebê morreu.
          2. A filha de Davi (Tamar) foi estuprada por seu meio-irmão (Amnon).
          3. Um filho (Amnon) foi morto por outro (Absalão).
          4. Um filho (Absalão) lidera uma conspiração, toma o reino, se deita com as concubinas de seu pai e é finalmente morto.
      2. O MESMO É FREQUENTEMENTE VERDADE HOJE…
        1. Um alcoólatra pode parar de beber e ser perdoado, mas ainda sofrer as consequências físicas do alcoolismo.
        2. Um pai pode obedecer ao evangelho, mas fazer isso tarde demais para ter um efeito positivo no desenvolvimento espiritual dos filhos.
        3. Um jovem pode “semear seus wild oats” antes de se estabelecer e se tornar um cristão…
          1. Embora perdoado, eles ainda podem ter que “colher o que semearam”.
          2. Por exemplo, o restante de suas vidas sendo prejudicado por coisas como:
            1. Uma gravidez inesperada (um casamento precoce ou indesejado).
            2. Um divórcio não bíblico (não livre para se casar novamente).
            3. Um momento de paixão (sofrendo com doenças sexualmente transmissíveis incuráveis).
            4. Experimentar drogas (danos cerebrais irreversíveis).

– O perdão de Deus é maravilhoso, mas não devemos esquecer das consequências do pecado!

CONCLUSÃO
  1. Tais são as lições que aprendemos da “Reprovação de Nathan”
    1. Muitas vezes somos cegos para nossas próprias faltas.
    2. A melhor maneira de promover o arrependimento.
    3. A atitude adequada no arrependimento.
    4. O perdão fornecido por Deus.
    5. As consequências do pecado frequentemente seguem mesmo após o perdão.
  2. Assim como acontece com grande parte dos eventos registrados nas Escrituras…
    1. Há lições para nos ajudar em nosso próprio relacionamento com Deus.
    2. Há lições para nos ajudar a servir aos outros em relação ao relacionamento deles com Deus.

Que sejamos sábios o suficiente para seguir o conselho da “Reprovação de Nathan”!