A Imagem de Deus

Texto: Gênesis
1:26

Introdução: 

Se
você estiver procurando por uma definição explícita do que exatamente constitui
a imagem de Deus nas Escrituras, não encontrará nenhuma. Como muitas outras
doutrinas, entendemos o significado e a aplicação da verdade a partir do estudo
contextual cuidadoso dos usos bíblicos relevantes no Antigo e no Novo Testamento.

Infelizmente, posições doutrinárias às vezes são obtidas com
base em compromissos pressupostos com ideias humanas extra bíblicas. Este sermão
procura expor as razões bíblicas para rejeitar as influências externas do
pensamento evolutivo em relação à natureza do homem. Em contraste, os dados
bíblicos exigem que a humanidade seja criada exclusivamente à imagem de Deus,
distinta de todas as outras criaturas, e reflita o próprio caráter de Deus em
nosso ser espiritual.

I. O Que Significa a
Imagem de Deus?

A. Não acredito que
isso signifique uma imagem física.

1. Embora a Bíblia se refira aos olhos do Senhor e Seus
ouvidos. Fala da mão do Senhor, também do braço do Senhor. Todos eles são
usados em sentido figurado, pois nos Salmos se refere a Ele nos cobrindo com
Suas asas.

2. Jesus foi uma manifestação corporal da Divindade, mas Ele
se tornou carne e habitou entre nós.

3. Jesus disse: “Deus
é Espírito”.

B. O principal
atributo emocional de Deus é o amor, então Ele nos criou com a capacidade de
amar.

1. Conheço a alegria de dar amor.

a. Não consigo descrever os sentimentos que tenho quando
seguro minha esposa ou meus filhos ou agora meus netos.

b. Não consigo descrever meus sentimentos por Deus, o calor
e a satisfação ao me comunicar com Ele.

c. Não consigo descrever os sentimentos que tenho por vocês
que compartilham conosco aqui no corpo de Cristo. Meu apreço, minha alegria,
minha bênção.

2. Conheço a alegria de receber amor.

a. É difícil saber qual alegria se destaca.

b. Como a letra de uma música expressa, a melhor coisa que
você aprenderá é amar e ser amado em troca.

C. O principal
atributo governamental de Deus é Sua autodeterminação, então Ele nos fez seres
autodeterminados.

1. Tenho o poder de escolha. Eu não sou um robô.

2. Para que a escolha seja válida, deve haver algo para
escolher. Daí a árvore do conhecimento do bem e do mal no jardim com a
proibição.

3. Para que a escolha seja válida, deve haver respeito pela
escolha feita.

4. Esta capacidade de escolha é necessária para que o amor
seja uma expressão significativa.

a. Se sou forçado a ligar para você todas as noites ou a
enviar um buquê todos os dias, pode ou não ser uma verdadeira expressão de
amor. Você nunca saberia.

b. Se eu fosse forçado a ter comunhão com Deus, se não
houvesse alternativas, então minha comunhão não teria sentido.

D. O principal
atributo moral de Deus é a santidade.

1. O homem foi criado puro, santo e, como tal, tinha
comunhão com o Deus santo.

2. Um homem profano não pode ter comunhão ou ser um com um
Deus santo.

E. Deus é Espírito e
criou o homem como espírito, mas o vestiu com um corpo para poder se expressar
a outros homens.

1. O homem é um espírito, habitando em um corpo, possuindo
uma consciência.

2. Assim, o homem como Deus é uma trindade.

3. Um de nossos problemas é tentar decidir se uma doença é
física ou mental. Se é algo do meu espírito ou da minha carne.

4. A verdade é que estamos tão integrados que muitas vezes é
impossível perceber.

5. O que quer que afete uma parte de mim, afete tudo de mim.
Deus criaria o homem à Sua própria imagem?

II. Porque Deus Criou
o Homem à Sua Própria Imagem?

A. Parece que era Seu
desejo entrar em um relacionamento amoroso significativo com Sua criação.

1. Está declarado nas escrituras que fomos criados para o
Seu prazer. Esse é o prazer de nos amar e ser amado por nós

2. Você pode dizer: “Não quero amar a Deus”. Você
tem uma prerrogativa, Ele criou você como um agente moral livre.

3. Apenas observe que, ao não amar a Deus, você falhou em
responder ao propósito básico de sua existência; portanto, não se surpreenda se
sua vida às vezes parecer vazia, frustrante e inútil.

B. Deus desejava
comunhão.

1. Mais da metade da alegria de ter algo bonito é
compartilhar essa beleza com alguém que você ama.

a. Se eu vir um belo pôr do sol, chamarei minha esposa para
vir vê-lo comigo.

b. Se eu ouvir uma bela sinfonia, vou chamá-la para ouvir.

2. Deus quis compartilhar as glórias e a beleza de Sua
criação, por isso criou o homem à Sua imagem e semelhança para que pudesse ter
comunhão ou compartilhar com Ele toda a glória e beleza de Seu amor.

III. O Capítulo 3 de
Gênesis Nos Conta da Queda do Homem a Partir Dessa Imagem.

A. A queda veio da
desobediência ao mandamento de Deus.

B. A queda veio pelo
exercício da livre escolha.

C. A queda resultou
em morte espiritual, portanto quebra de comunhão com o Deus Santo.

1. O homem continuou a viver em seu corpo, possuindo uma
consciência, mas o espírito estava morto, portanto a mente foi dominada e
controlada agora por sua carne e pelos desejos de sua carne.

2. O caminho que o homem escolheu foi um caminho de mão
única, ou seja, não houve oportunidade de desfazer o que foi feito. Ele não
podia ressuscitar seu espírito morto.

D. A queda trouxe
grande tristeza a Deus.

1. Porque Ele amou tanto o homem, Ele desejou o melhor para
o homem, mas Ele sabia que isso só poderia acontecer se o homem fosse um com
Ele.

2. Assim como Jesus chorou ao ver as consequências da
escolha errada que o homem estava fazendo, Deus sem dúvida chorou.

E. A queda trouxe
grande calamidade ao homem.

1. Vida alienada de Deus.

2. A vida dominada pela carne com os conflitos, lutas,
guerras, doenças e morte resultantes.

IV. O Propósito da
Vinda de Jesus Cristo Foi Tornar Possível Que o Homem Seja Restaurado à Imagem de
Deus
.

A. Assim restaurada,
sua comunhão com Deus poderia ser renovada e o homem poderia mais uma vez
responder ao propósito básico da existência.

B. Jesus falou ao
sincero buscador da vida, sobre a necessidade de nascer de novo do Espírito.

1. Jesus falou sobre negar a si mesmo, tomando a cruz para
segui-lo. Se procurarmos encontrar vida nas coisas da carne, vamos perdê-la. Se
quisermos encontrar a verdadeira vida, devemos perder a vida da carne.

2. Jesus falou sobre o amor de Deus pelo homem e o desejo de
uma comunhão restaurada.

3. Ele então provou o amor de Deus pelo homem, levando a
culpa de nossos pecados e morrendo em nosso lugar.

C. A capacidade de
escolha entra agora mais uma vez.

Conclusão: 

As
pressuposições evolutivas têm efeitos trágicos na antropologia cristã (o estudo
da humanidade). Se a humanidade desenvolveu as capacidades características de
domínio e relacionamento que nos fazem funcionar como portadores da imagem de
Deus, então nossa maior necessidade é continuar desenvolvendo essa capacidade
que é vista no exemplo de Jesus Cristo.

Infelizmente, as doutrinas do pecado e da salvação são
destruídas. Se, no entanto, a humanidade é feita exclusivamente à imagem de
Deus como parte de Sua ordem original criada “muito boa”, então nosso problema
de pecado é uma realidade que só é resolvida pela expiação substitutiva de
Jesus Cristo, que é a própria imagem de Deus.

Somente por meio de Cristo podemos ser justificados diante
de Deus e nos conformarmos à imagem de Seu Filho para a qual fomos
originalmente criados.

Fonte: Esboçosermão